Reflexão sobre o Dízimo - Natureza do dízimo e das ofertas

1°) A oferta
A palavra oferta significa oferecer, doar, colocar à disposição. Jesus diz que até o simples copo d'água oferecido a alguém por ser seu discípulo terá sua recompensa. Podemos fazer nossa oferta em alimentos ou roupas no dia em que a comunidade recolhe donativos para os pobres. Em nossa Diocese, há também a coleta de doações em favor do Seminário. Fazemos nossa oferta em dinheiro em cada celebração litúrgica no momento do ofertório, na coleta. Aquele valor, ofertado com generosidade, é expressão viva de doação para o bem da Igreja. Quanto bem a Igreja poderia fazer se essas ofertas fossem mais generosas!

2°) O Dízimo
A palavra dízimo significa a décima parte de um todo. Na Bíblia expressa a entrega de dez por cento do que a família produzia para o sustento do Templo, que incluía o atendimento aos pobres; em resumo, para a obra de Deus. É uma doação mensal, sistemática e organizada para que a Igreja possa cumprir sua missão. O dízimo é de toda a família. Ela soma a receita (salários de cada membro - pai, mãe, filhos, rendimentos ou produto colhido e comercializado) Os que não são casados e vivem fora de sua família devem dar o dízimo da mesma forma. 

O DÍZIMO
 não é uma taxa e nem uma esmola. É uma retribuição a Deus e à Igreja por tudo o que recebemos. Em relação a Deus, não vale o famoso dito interesseiro “dou para que me dês”. Com Deus é o inverso: dou porque me deste! Há pessoas que já entregam o dízimo integral, ou seja, dez por cento da renda; outras entregam outras porcentagens. É preciso crer na palavra do Senhor, como diz o profeta Malaquias “Trazei ao tesouro do templo o dízimo integral, para que haja recursos na minha casa. Fazei comigo esta experiência - diz o SENHOR dos exércitos. Vamos ver se não abro as comportas do céu, se não derramo sobre vós minhas bênçãos de fartura! (Ml 3,10)

O dízimo deve ser: Voluntário: porque o amor não tem lei; só a lei do bem do outro; Generoso: porque a gratidão não tem pagamento; Consciente: porque brota da consciência que cada um tem de sua pertença à Igreja. O dízimo não é imposição, mas um dever que nasce da consciência da pertença à Igreja. O dízimo não é taxa em vista de benefícios e sim doação para que a Igreja leve adiante a obra de Cristo: anuncie o Evangelho, celebre a fé e testemunhe a caridade pelo serviço organizado em favor dos pobres. Dízimo é: - verdadeiro ato de fé e fonte de bênçãos; - experiência de amor, generosidade e gratidão; - meio de organização das atividades da Igreja, evangelização e promoção humana.